PROA ARQUITETURA INTEGRADA COM ACESSIBILIDADE

“Acessibilidade não é projetar para as exceções, é projetar melhor para todos.”

A Acessibilidade está diretamente ligada ao conceito de Desenho Universal, que se desenvolveu entre profissionais da área de arquitetura da Universidade da Carolina do Norte – EUA, com o objetivo de definir um projeto de produtos e ambientes para ser usado por todos, independentemente de suas características pessoais, idade ou habilidades e sem a necessidade de qualquer tipo de adaptação ou projeto especial para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Assegurando que todos possam utilizar com segurança e autonomia os diversos espaços construídos e objetos criados.

Na década de 90, foram estabelecidos os sete princípios do desenho universal:

  • Igualitário – uso equiparável: são espaços, objetos e produtos que podem ser utilizados por pessoas com diferentes capacidades, tornando os ambientes iguais para todos.
  • Adaptável – uso flexível: design de produtos que atendem pessoas com diferentes habilidades e diversas preferências, sendo adaptáveis para qualquer uso.
  • Óbvio – uso simples e intuitivo: de fácil entendimento para que qualquer pessoa possa compreender independente de sua experiência, conhecimento, habilidades de linguagem ou nível de concentração.
  • Conhecido – informação de fácil percepção: quando a informação necessária é transmitida de forma a atender as necessidades do receptador, seja ela uma pessoa estrangeira, com dificuldade de visão ou audição.
  • Seguro – tolerante ao erro: previsto para minimizar os riscos e possíveis consequências de ações acidentais ou não intencionais.
  • Sem esforço – baixo esforço físico: para ser usado eficientemente, com conforto e o mínimo de fadiga.
  • Abrangente – divisão e espaço para aproximação e uso: que estabelece dimensões e espaços apropriados para o acesso, alcance, manipulação e uso, independentemente do tamanho do corpo (pessoas com nanismo, obesas, etc.), da postura ou mobilidade do usuário (pessoas em cadeira de rodas, com próteses ou órteses, com carrinhos de bebê, bengalas, etc.).

Estes conceitos são mundialmente adotados para qualquer programa de acessibilidade plena. E para garantir o cumprimento do desenho universal, surgiram leis e normas de acessibilidade que asseguram as especificações necessárias.

O objetivo é que qualquer ambiente ou produto possa ser utilizado por qualquer pessoa. É um processo de humanização dos espaços e o direito de ir r vir de todos os cidadãos.

A acessibilidade é um atributo essencial do ambiente que garante a melhoria da qualidade de vida das pessoas. E como profissionais da área de arquitetura, temos a oportunidade de fazer um mundo melhor. Desenvolvendo a empatia para projetar boas experiências para um número cada vez maior de pessoas.

“O ser humano “normal” é precisamente o ser humano “diverso”, e é isso que nos enriquece enquanto espécie. Portanto, a normalidade é que os usuários sejam muito diferentes e que os projetos propiciem usos distintos.”

 Fonte imagem: http://www.habitamos.com.br/acessibilidade-e-desenho-universal/

Referência: Cartilha Desenho Universal – Um conceito para todos

Por, Camila Padilha

Sócia / Arquiteta e Urbanista

Proa Arquitetura Integrada