Arquitetura para franquias

Hoje em dia muitas lojas fazem parte do sistema de franquias, “que consiste no acordo entre duas partes: franqueador e franqueado. O franqueador cede ao franqueado direitos para que ele possa usufruir dos benefícios do seu modelo de negócios: uso da marca, comercialização, sistema de operação e de gestão” (Ignição digital). A principal característica das franquias é a padronização, ou seja, todas as lojas devem ter a mesma identidade visual e linha de produtos para que a marca e, consequentemente, o estabelecimento, sejam reconhecidos em todos os lugares.

A padronização, essencial para a afirmação da marca, pode tornar-se um dos grandes desafios da franquia: manter as mesmas características para diferentes tamanhos e formatos de pontos de venda. Para evitar a descaracterização da marca surge a importância do projeto de arquitetura, no qual constará os mesmos revestimentos, cores, disposição de mobiliário, posição de letreiro e todos os detalhes necessários para o reconhecimento da marca, fazendo adaptações em cada ponto de venda, sem perder a padronização.

Um ambiente bem projetado captura a atenção do público, mas o reconhecimento da marca é que influencia as escolhas dos clientes. Por isso a importância do branding (gestão de marca) e a arquitetura caminharem juntos. As estratégias de branding guiam o projeto arquitetônico para proporcionar experiências significativas para o seu consumidor. Afinal são com os elementos da arquitetura (iluminação, cores, texturas, entre outros) que a marca é fortalecida e envolve o usuário despertando memórias afetivas.

“Todo esse processo de percepção, identificação e reconhecimento de marca gera valor agregado na mente do consumidor e resulta em mais vendas para as lojas. As pessoas têm preferência por ambientes visualmente agradáveis e de acordo com seu estilo” (Omni, 2017).

Fonte: FecomercioSP

Por, Camila Padilha