Arquitetura e realidade virtual

Imagem de como Perkins+Will está utilizando o Microsoft HoloLens para interagir com os modelos de edifícios.

Com a disseminação de novas tecnologias e o aumento da capacidade computacional, os escritórios de arquitetura estão vivenciando uma revolução nas possibilidades de projeto.

Imagine-se a três décadas atrás visitando um escritório de arquitetura repleto de pranchetas, réguas, papel e maquetes por todos os lados. Apesar da beleza envolvida na criação de uma nova edificação, este processo era ineficiente quando comparado ao atual.

A condição de experimentação de novas ideias e as revisões das propostas originais foram facilitadas com o ingresso de novas tecnologias. Mas, ilude-se quem acredita que o trabalho foi simplificado. Atualmente, o escritório de arquitetura é uma espécie de laboratório, onde ideias podem ser testadas exaustivamente, confrontando soluções e consequências.

O projeto que antes ficava restrito a desenhos, informações simplificadas e a perspectivas artísticas, passa a ser um modelo complexo composto por informações gráficas, parametrizadas e sensoriais, oferecendo a plataforma adequada à colaboração de equipes multidisciplinares que aprofundam as análises e elaboram soluções mais sofisticadas.

O nível de imersão é cada dia maior. A modelagem das construções virtuais permite a simulação de soluções e convida a uma análise profunda desde os primeiros estudos até a simulação das melhores alternativas construtivas.

Já a realidade aumentada permite inserir ambientes virtuais em espaços construídos, permitindo ao usuário vivenciar conceitos de ocupação em espaços vazios. Drones, óculos de realidade virtual, impressoras 3D, holografias, softwares diversos como os de modelagem, simulação, ilustração, são algumas das novas ferramentas disponíveis para planejamento das construções que podem ser enfim mais eficientes e sustentáveis.